poema para hannah

dum café às vezes
colheito as saudades de hannah,

a minha primeira- saudosa
-dama filosófica.

um poema seu
devia ser assim: livre.

mesmo sem condições
comecei pela condição.

amor à primeira vista
e à segunda e também depois

com as origens
do terror aceito por quem
não ama o mundo – como nós

me iniciou à liberdade,
trocadilhando em sua
poesia-política
que o novo sempre vem.

Kype Alen

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: